28 de dezembro de 2013

2014!

 (Este texto, à exceção dos anteriores, foi escrito não por Jheniffer Luiz, mas sim, por Patrícia Souza)




- Não tentaremos mudar ninguém, começaremos nós a mudar;
 - Viveremos, sorrindo sempre;
 - Lutaremos, lutaremos pela vida;
 - Seremos fortes, seremos nós mesmos;
 - Não seremos complicados, apenas vamos "descomplicar";
 - Daremos sempre os Bons Dias. Bom Dia sempre. Assim, será sempre Bom Dia;

  Se, mesmo assim, o mundo nos der em troca pedras, não te importes, somos fortes o suficiente para juntar as pedras e fazer - quem sabe - um grande castelo. Se não der para fazer um castelo, faremos um pilar ou uma coluna para pendurar uma rede e descansarmos nela, sim.
  E se acaso o mundo nos oferecer algo, que outros pensem ser para nossa destruição, tentaremos e faremos sempre o nosso melhor, construindo um segundo, um minuto, um novo dia...
 Vamos aprender a aproveitar este mundo de gigantes (sim!) e formigas (sim!) - cada um com a sua inteligência, o seu saber e o poder de demonstrá-lo!



25 de dezembro de 2013

Um dia serei

Um dia serei o vento
para percorrer os vales
e passar despercebida
pelas montanhas!

Terei o poder da água
para satisfazer a sede de cada um
e alimentar a esperança.

Um dia serei o fogo
para que possa despertar amor
e espalhar a paz
Pelo resto do planeta.

Serei a natureza,
com a soberania e a força do vento, da água e do fogo
com o objetivo e desejo de pertencer a

Um Mundo melhor!


15 de dezembro de 2013

O que o dinheiro não compra

  Neste mundo de números e juros há quem pense que tudo pode, visto que têm uma coleção de tostões e isso, por si só, já garante  uma vida completa - é o que se pensa.
  A moeda compra o interesse, mas não compra a pureza. O milhar compra a terra, mas não compra o poder de decidir o que será cultivado. O milhão compra o barco, mas não compra a corrente que levá-lo-à ao porto final.
  O bem-estar emocional, a lembrança, recordação, o choro sincero, o sorriso que contagia, enfim, nada disto é negociável; o amor, o respeito, a verdade e outros bens também não são negociáveis porque valores como estes não têm lugar no Banco do Tudo Se Compra.
  Por mais absurdo e inaceitável que possa parecer aos olhos de alguns, há tesouros que o dinheiro não compra porque (felizmente!) existem guardiões fiéis que não abrem mão da única coisa que realmente os pertence: o Eu próprio.
  Aos sabichões, só me resta um pedido: comprem tudo, tudo mesmo, só não tentem comprar o interior de um bom ser porque isso seria como fazer um castelo à beira-mar em tempos de maré cheia, ou seja, uma tentativa em vão.


24 de novembro de 2013

Chove, chuva

Chuva, chove.
Chove para os que padecem ,
para os que necessitam,
para os que merecem.
Chuva, cai para todos
e não apenas para um.
Sê honesta e não favoreças aqueles que não fazem nenhum.
Este pedido de nada serve
Afinal, é o teu destino,
não podes dizer que não.
Chuva, 
primeiro molhas o cimo da árvore
e só depois chegas ao chão.
Por mais que escreva sei que nada mudará
porque ninguém muda a natureza.
Hoje é assim e amanhã assim será.




2 de novembro de 2013

Rosa Branca

Querida Rosa Branca,
como és linda!
Linda por dentro e por fora,
repleta de paz que provém da luz que em ti mora.

Querida Rosa Branca,
simpática e iluminada.
Abençoada com o que fazes,
mereces o valor do ouro e da prata.

Rosa,
de todas as flores és a mais especial
pois cativante como tu , impossível haver igual.

E como dominas um jardim inteiro?

Mesmo que alguma pétala seja arrancada
continuarás assim, perfeita.
Serena e delicada
como um recém-nascido que no berço se deita.

Minha Rosa Querida.

Minha, e de todos que te querem bem
Daqui até ao Sol,
Do Sol e mais além...




27 de outubro de 2013

Aos Mestres

A todos os mestres,
Parabéns!

Parabéns pela ousadia que têm
ao se aventurarem na arte
de ensinar aquilo que aprenderam.

Parabéns pela determinação e foco 
no objetivo de formar cidadãos.

E que o mundo valorize
todos aqueles cujo amor e carinho estão presentes nas entrelinhas
dos número e letras que escrevem na tela do saber,
assim como as palavras que voam 
no diálogo do conhecimento.

Mais uma vez,
Parabéns!
Parabéns por se disporem à troca de luz,
marcando assim a vida de muitos
tal como antes alguém marcou  a vossa!

19 de outubro de 2013

Além do Horizonte

  Além do horizonte tudo parece eterno e inacabável como se todas as respostas necessárias morassem ali.
  O horizonte que vejo transpira paz, silêncio, e ao ser comparado com o tão famoso paraíso de Adão e Eva torna a decisão de escolher o mais belo um pouco mais complicada e menos óbvia.
  Muitos acreditam, como escrevi no início, que a solução está na "linha" que vemos ao erguermos a cabeça para o infinito mas, na verdade, as respostas têm uma única morada: o interior de cada um.
  Não é além do horizonte que está a paz, o bom senso, a capacidade de refletir e decidir, e os valores que nos moldam como pessoas, porque tudo isto e outras coisas mais habita além do reflexo que vemos no espelho.
  É na alma, além da pele e dos olhos, que há o conjunto de nuvens onde podemos deitar e descansar e é aí, além do que o Homem vê, que está o nosso verdadeiro eu. Nisso, e nisso só, pode-se confiar.




13 de outubro de 2013

Uma carta para ti

- Olá!
- Olá? - estranha a pessoa
Que fica feliz por ouvir um "Olá!" à toa.

Sim, "à toa".

"À toa" porque a arrogância é imensa
No coração do ser humano
Que sequer reconhece a sua espécie
Ao ponto de a tratar
Como um trapo velho, um pano.

Penso que é surreal 
Mas vejo em alguns olhos ódio,
hipocrisia e desejo de vingança carnal.
Há oportunismo que todos os dias treina.
A mais baixa lei da sobrevivência onde o egocentrismo reina.

Lei da selva.

Há perguntas que talvez possas responder,
Esclarecer.
Se uns dizem que viemos do pó
Porquê não somos humildes, solidários, voluntários e humanos?
Bastava isso, só.

Olha o estado da nossa casa!
Desorganizada, com vida falsa...
Onde uns andam descalços
Enquanto outros trajam valsa.

Eu sou culpada, tu és culpado
E as restantes pessoas conjugáveis também.
Estrela-guia aparece e ilumina a nossa mente
Tal como fizeste com os três senhores que levaste a Belém.
Conseguiste mostrar a luz que acabara de nascer
E hoje, só peço que reapareças 
para seguirmos a trilha correta que fará o nosso mundo crescer. 












23 de setembro de 2013

Lua

Leva-me contigo.
Leva-me contigo para o espaço, ou
Para a Terra.
Leva-me contigo porque sei que
Uma obra como tu,
Jamais erra.

Lua, ilumina o meu caminho
E livra-me de qualquer espinho.
Sê a minha estrela-guia
Quer de noite, quer de dia.

Lua, 
Ensina-me a sonhar
E ajuda-me a viver.
Um dia, tal como tu,
Ao meu lado estrelas vou ter
E todos os cometas
Que à minha frente quiserem passar,
Irão desaparecer.




14 de setembro de 2013

O Pequeno Grande Homem

Entre um beijo e outro
A chama da paixão se acendeu.
Meses depois, a mulher dá a notícia:
- "Estou à espera de um filho teu!"

Dia após dia,
Ano após ano,
As conversas do casal 
Passaram a ser de mau tom.
E eles nem se lembravam
Que, para a criança, isso não era bom.

Todas as noites a criança ouvia os gritos da mãe,
Enquanto o seu pai lhe batia.
Por socorro ela gritava,
Mas nunca ninguém aparecia.
A criança só e abandonada,
Era a espectadora daquela covardia.

Sentia-se só ao assistir aquela cena,
Pois da mãe o seu pai não tinha pena.

A criança solitária,
Com o passar do tempo,
Tornou-se num "homem" feito.
Cansado de ver a mãe sofrer,
Pensou que à paz ela tinha direito.

O Pequeno Grande Homem
Fez 8, 13 e de seguida os 16,
Até que na noite do seu aniversário
Decidiu acabar com aquela desgraça
De uma só vez.

Mesmo sendo aquela
Uma noite especial,
Assim como todas as outras
Não pôde faltar o duro ritual.
Mas agora tudo era diferente:
Quem assistia, já não era inocente.

Quando olhou pela fechadura da porta,
Viu o seu pai a levantar a mão.
A ex-criança, de imediato,
Ajoelhou-se e a Deus pediu perdão.

Pediu perdão por algum motivo,
Dali, talvez ninguém sairia vivo.

Levantou-se e foi até à sala.

Sem mais demoras,
E em menos de uma hora,
Pôs na mão esquerda um brinquedo:
Uma pistola.

Sem pensar duas vezes
E em total desespero
À cabeça do pai o Pequeno Grande Homem disparou.
Foi assim, desta forma,
Que a última discussão do pai e da mãe
Acabou.

A mãe ficou paralisada
E no que aconteceu ela não quis acreditar.
O seu Pequeno Grande Homem
Sacrificou-se por ela e isso não havia maneira de explicar.

O rapaz,
Com 16 anos acabadinhos de fazer,
Pôs o polegar no pulso do pai e viu que já nada havia a fazer.
Mesmo assim, 
Vendo o pai de olhos fechados
E esticado no chão
As últimas palavras quis dizer:

- "Pai, durante algum tempo
Foste o meu herói.
Estou a usar o pretérito,
E nem sabes o quanto me dói.
Hoje completei os meus 16 anos,
E desta data irei sempre recordar.
Antes de puxar o gatilho orei a Deus
Mas não sei se ele me irá perdoar,
Pois foi ao tirar a tua vida
Que a da mãe consegui salvar..."




27 de agosto de 2013

17

Uma vida se passou
E ainda há mais vida para viver.
Aprender, crescer.

Há mais histórias para contar
E outras para ninguém saber.
Há imensas peças de teatro para assistir
E mil e um aplausos para receber.

Ainda há cores por pintar
E tanta chuva para me molhar...
Há pedras para tropeçar e em
Um ou outro buraco cair.
Também haverá bolinhas de sabão para sorrir.

Haverá felicidade, verdade,
Saúde e sorte.
É disto que preciso para que a bússola indique o Norte!



17 de agosto de 2013

Não te sintas derrotado

Quando pensares em desistir,
Levanta a cabeça e sorri
Porque com certeza
Há no mundo imensas pessoas que gostam de ti!

Às vezes sentes
Vontade de desaparecer,
Mas olha à tua volta,
Ainda há muita coisa por fazer...

É difícil compreender
O porquê de tudo acontecer
De uma forma tão rápida,
Mas temos que perceber
Que se não fosse assim,
Não existia vida.

Acredita que vais vencer
E tudo irá melhorar,
Pois a  vida é assim:
Ao mesmo tempo

Que está boa, está má!


5 de agosto de 2013

4 de agosto de 2013

Eu acredito!

Eu acredito nos céus,
Na terra, nos vales.
Acredito na força do vento,
Na magia dos malabares.
Acredito nos mares.

Acredito em Deus, e não só.
Acredito no maestro
E no mi, no ré, no dó.
Acredito que poderemos ser pó.

Acredito na luz e na escuridão.
Saudade. Paixão.
E sei a força de um "Não!"
Mas muitas vezes digo "Sim"
Porque também tenho dias de acreditar em mim.

Também creio na humanidade,
No futuro. Espero não ser um pensar imaturo.
Tenho respeito pela natureza,
E mais não digo, nem dito.
Só quero deixar bem claro que:
Eu acredito!

23 de julho de 2013

O menino da lágrima

O menino da lágrima
Não sorria, só chorava.
A solidão era tanta
Que já nem sonhava.

O plano da foto é negro,
E não é segredo
Que neste olhar há a palavra
Medo.

Mas que mistério!
Este ar sério
Num foco atento
Que transmite o sofrimento.

A imagem não é o que parece,
Nem mudou com nenhuma prece
Pois habita na alma de um adulto,
Que vive um transtorno absoluto,
E ainda hoje convive com a solidão.


5 de julho de 2013

Um dia, noutro dia

Um dia serei o sol
Que ilumina um planeta.
Noutro dia serei a lua
Com o brilho e a rapidez de um cometa.

Um dia serei o vento
Para todo o mal destruir.
Noutro dia serei a magia
Que faz a criança sorrir.

Um dia serei uma caneta
Que regista as surpresas de uma vida.
Noutro dia serei o cérebro
Por onde passa a ideia despercebida.

Um dia também serei fé
Para mover montanhas.
Mas enquanto esse dia não chega,
Aqui fico com as minhas mensagens estranhas.

E creio que ficarei por muito tempo...


4 de junho de 2013

Quando as palavras me faltarem

Quando as palavras me faltarem,
Não sei o que será desta minha vida.
Quando as palavras me faltarem,
Começarei a ter um vazio
E deixarei de navegar à bolina.

Quando as palavras me faltarem,
O chão abrir-se-à diante de mim.
Quando as palavras me faltarem,
Não crescerá nada neste jardim.

Quando as palavras me faltarem,
Haverá frio, tempestade e vento.
Quando as palavras me faltarem,
Não sei como ficará este mundo desatento.

Mundo desatento.
Escuro. Deserto.
Mundo sem vida, sem preocupações.
Certo?

E que estas e outras palavras
Jamais me faltem.



28 de abril de 2013

A Praia

Por vezes,
A praia pode ser o paraíso
Onde ali, e só ali
Queremos estar.
Sentados na areia,
A pensar na vida!

Estar ali,
É como uma sensação mágica!
E de repente,
Sem saber como, nem porquê ,
Recordamo-nos de inúmeras lembranças,
Que causam uma grande confusão dentro de nós,
Como se uma onda gigante
Invadisse as nossas cabeças.

Cada onda que se enrola
É um choro de criança.
Cada onda que não destrói o castelo de areia,
É um "sim" à esperança.

Por vezes o vento é cruel
E faz remoinhos de areia.
Remoinhos esses,
Que atinge os teus olhos
E não consegues ver, por mais que queiras.

Na praia há de tudo:
Desde pessoas a caminhar no deserto,
A pessoas que nadam para chegar à vitória.
Mas sim, o que todas têm em comum
É o desespero pela chegada do pôr-do-sol
Porque, acreditam elas,
Que esse fenómeno pode ser o começo de uma nova história,
Uma história melhor...





25 de abril de 2013

Respeitem mais, critiquem menos

Se quando vês uma pessoa diferente,
Não julgas, respeitas e te calas
És muito bem-vindo
Para ler estas minhas palavras.

As pessoas têm que aprender
A respeitar quem é diferente de si.
E quem não o faz? O que fazer?
Olhar-se ao espelho e questionar-se:
"Será que gostaria que me fizessem isso a mim?"

Nem todos os juízes são justos.
Quem limpa as ruas
Pode já ter frequentado várias escolas.
Quem sorri, nem sempre está feliz
E quem fuma um cigarro
Não tem, necessariamente, que usar drogas.

Se um menino gosta de cor-de-rosa,
Não quer dizer que é homossexual.
E se a menina joga futebol,
Será que é uma menina anormal?
E muito grave, é também,
Excluírem e rejeitarem as pessoas
Com a Síndrome de Down.

Não devemos ensinar às crianças
Que "Filho, somos todos iguais!" .
Elas precisam saber que somos diferentes,
Para, desde cedo, respeitarem os demais.

Ninguém é melhor que ninguém,
Cada um é como é.
Respeitem mais, critiquem menos.


11 de abril de 2013

Linhas Tortas

Escrevo linhas tortas
Como se de um enigma se tratasse.
São quase impossíveis de decifrar.
Por entre as minhas linhas,
Há uma história por contar.

Versos soltos. Versos livres.
Versos com algum nexo,
Ou talvez não.
Versos que passeiam pela minha cabeça,
Mas capturo-os com a mão.

Nas minhas veias não há sangue.
Nas minhas veias há estrofes.

Escrevo as linhas tortas,
Como se um desenho estivesse a pintar,
É-me indiferente se o poema
Começa pelo "B" ou pelo "A".

O meu texto é verdadeiro.
Direto.
É um texto simples, sincero.
É tinta que sai da medula,
E mesmo que eu não queira
A palavra manifesta-se, e pula.

Analiso corações
Como se fosse uma cardiologista.
Não examino apenas o meu,
Mas também o dos outros,
Como uma verdadeira artista.
Transmito para o papel o verde e o negro da vida.
Se arrancar um sorriso de alguém,
Para mim já é uma grande conquista

22 de março de 2013

Saudade

  Sentida por todos nós, a saudade pode ser um sentimento mau e também bom. Mau, porque causa dor. Bom, porque é sinal de que somos capazes de guardar momentos e/ou pessoas num cantinho especial dos nossos corações, demonstrando que foram importantes para nós.
  Aqueles que se auto-intitulam "fortes" são, por vezes, os mais fracos, não sendo capazes de assumir um sentimento desta natureza.
  É uma lágrima derramada por alguém. Alguém que "nele" identificamos um "eu", não tendo resposta - muitas vezes - para um porquê.
  Ter saudades é recordar. É viver. É sentir. É ser humano. É ter coração. É sorrir. É dar gargalhadas. É também dor. É chorar. É aprender. É viver com a ausência.
  A saudade não evapora mas, com o tempo, aprendemos a lidar com ela e a encontrar um novo rumo. Temos que seguir o nosso caminho!


10 de março de 2013

Quem seríamos sem um sonho?

Quem seríamos nós sem um sonho?
Quem seríamos sem uma ilusão?
Apenas pequenas pessoas sem objetivos,
Sem nada para segurar na mão.

Quem seríamos sem um sonho?
Ou dois? ou três?
Apenas gente infeliz,
Que não sonha sequer uma vez.

Seríamos meros mendigos
A andarmos sempre sozinhos.
Sonhar, ilumina-nos a alma
E nos mostra diversos caminhos.

Como diria António Gedeão:
"Cada vez que o homem sonha,
O mundo pula e avança (...)"
Pois sonhar é divertido
Como uma bola nas mãos de uma criança.

Devemos rir e sorrir bastante,
Não podemos estar sempre a chorar.
Nos dias de chuva agarra-te aos teus sonhos,
Porque eles obrigam-te a voar.

Voar, saltar, correr e sorrir,
Os sonhos são tão valiosos
Quanto a felicidade o é
Para mim, e para ti.

Quem sonha é mais forte,
Quem sonha tem uma motivação
Para viver a vida.
Agarra-te aos teus objetivos
E dança como um bailarino (a).

E voltando ao início:
Quem seríamos nós sem um sonho?
Vadiávamos por este mundo bandido.
Nem sequer imaginávamos um futuro construído.
Sem um sonho,
Não passávamos de um animal gélido e ferido.

Eu sonho, e tu?

O meu castelo

Construí um castelo
No meio do nada.
Um castelo bonito,
Com uma forma engraçada.

Um castelo feito de alegria,
Foi o que construí.
Castelo esse, onde estão guardados
Todos os momentos que passei ali.





3 de março de 2013

A sombra que me persegue

Vivo na madrugada,
Nunca é dia.
Não há sol, perdeu-se a folia.

A sombra está colada,
Está morta - mas tem vida.
Agarra-se a mim e não se solta,
É má, não é querida.

Por mais que corra
Ela não tropeça.
É persistente e não quer desistir,
Por mais que lhe peça.

Peço, peço, e imploro mais uma vez.
É uma contagem infinita.

Quero liberdade,
Mas não me deixas ser feliz.
Livrar-me de ti é o que quero.
O que quererei.
O que sempre quis.


2 de março de 2013

O que importa é partir

  "Em qualquer aventura/ O que importa é partir, não é chegar" porque todos devemos ter a ousadia de voar, mesmo sem ter noção alguma do destino onde iremos aterrar.
  Todos voamos, logo à nascença, mas muitos de nós somos obrigados a voar mais uma e outra vez porque, por alguma razão, a vida (por vezes) obriga-nos a recomeçar.
  A vida é uma viagem na qual já temos a chegada marcada, mas desconhecemos o trajeto até esse fim. Trajeto esse, que nem sempre escolhemos. Que nem sempre podemos decidir entre a direita e a esquerda.
 "O que importa é partir" porque o que interessa é partir do zero mesmo que, no passado, já estivéssemos longe desse número. Há que pensar que o dia é longo e, após a madrugada, há um novo dia. Começa o dia em que devemos ser curiosos, insistentes e corajosos para seguir em frente, independentemente do estado em que chegaremos no próximo anoitecer...


 
  Cada um tem uma forma de exprimir aquilo que sente, aquilo que pensa. Escrevendo é  como eu o faço.
  Não é apenas preencher uma folha em branco, não é um simples "blá blá blá". Trata-se de sentimentos, opiniões. É uma maneira de chegar ao céu, de ultrapassar limites.
  É assim que aprendi a voar: escrevendo os meus poemas da maneira mais sincera e verdadeira que posso, porque é assim que sou.
  Aquilo que mora dentro de mim é transmitido para uma folha de papel - tão simples quanto eu. Se o que sentir for raiva, jamais escreverei alguma coisa alegre, e se for alegria não escreverei algo triste, porque isso seria faltar ao respeito a mim própria.
  As minhas palavras moldam a minha personalidade, e as minhas atitudes também. Por isso, refugio-me entre as linhas dos meus poemas e/ou textos porque, para mim, escrever não é um sacrifício - faço-o por gosto. Por paixão!


2 de fevereiro de 2013

Difícil é perdoar

Hoje em dia,
O desculpar e o pedir desculpas
Encontram-se facilmente
Na boca de qualquer um.

Tornou-se simples
Magoar as outras pessoas,
Porque mais tarde basta dizer:
Desculpa.

Perdeu-se o valor dos valores.
Já nada interessa
Porque sabem que o segredo do tentar esquecer,
Resume-se numa só palavra.

E o perdão?
Esse, nem toda a gente
Tem coragem para o pedir.
Nem todos o conseguem sentir...

Esta sim, é a palavra certa
Para tentar tapar um erro.
Esta é a palavra
Que realmente tem significado.

Até é bom, o facto de
O perdão não ser vulgar,
É da maneira que se preserva o seu valor,
Que é bem alto, por sinal.

Chega de desculpas.
Párem de magoar.
Porque o "desculpa" é facil,
O difícil está no perdoar.